Existe Empatia nas Redes Sociais?

Mika Mota

Mika Mota é especialista e apaixonada por essa área que considera extremamente linda e mutante: as redes sociais! É também a 'crazy cat lady' em pessoa e vislumbra sempre um mundo mais leve para quem vive nele agora e para quem virá depois.

Últimos posts por Mika Mota (exibir todos)

Um coisa que sempre me chamou muito a atenção quando estou “perambulando” pela internet afora, são histórias emocionantes de gente ajudando gente, gente amando gente, gente enaltecendo gente.

Como os vídeos fofos de pais que trabalham no exército chegando de surpresa e que SEMPRE me fazem chorar (inclusive, chorei procurando para mostrar aqui no blog hahaha). Ou então de animais fazendo estripulias.

Mas os campeões são os testes sociais, como o da menininha que “defende” a outra na escolinha de ballet que sofria bullying por ter uma irmã com síndrome de Down, ou do morador de rua ouvindo um cara qualquer com dificuldades financeiras e dá o quase nada que tem para o desconhecido comprar remédios para a suposta filha doente. É lindo. É emocionante e eu choro de soluçar sempre que vejo.


Porém, contudo, entretanto, ultimamente tenho visto tantas atitudes abomináveis, comentários maldosos, imagens que denigrem, notícias ruins (essa última por exemplo, foi o motivo maior de eu não assistir mais TV há aproximadamente 4 anos). Não sei em vocês, mas a sensação ao ver e ler tais coisas é de profunda tristeza e impotência.

As redes sociais vieram para dar voz para pessoas do mundo todo, para pequenas empresas. São ferramentas de trabalho para muitas pessoas (eu sou uma delas), mas ao mesmo tempo, está dando espaço para quem NUNCA deveria ter.

De acordo com um psicoterapeuta norte-americano, as redes sociais reduzem a noção de vergonha, diálogo e empatia e isso é muito sério! Para ele, mais preocupados com ‘curtidas’ do que com sentimento dos outros, essas pessoas aproveitam essas plataformas online para ficar ‘menos inibidos’ e, com isso, acabam, por vezes, gerando casos de humilhação pública.

Isso significa que estamos mais propensos a objetificar os outros e a pôr nossas próprias “necessidades de validação” à frente do bem estar do outro. Ou seja, as pessoas ficam mais ~corajosas~ a agir de forma grosseira e sem empatia alguma, comportamento esse que provavelmente (?) seria evitado se estivessem cara a cara com o outro.empatia nas redes sociaisPrecisamos mudar isso! Precisamos olhar com mais amor ao próximo. Precisamos ter mais cuidado. Precisamos julgar menor. Precisamos ter mais EMPATIA.

empatia

substantivo feminino

  1. faculdade de compreender emocionalmente um objeto (um quadro, p.ex.).
  2. capacidade de se identificar com outra pessoa, de sentir o que ela sente, de querer o que ela quer, de apreender do modo como ela apreende etc.

Empatia é a capacidade psicológica que temos para sentir o que uma pessoa sentiria se estivéssemos passando pela MESMA situação que ela. É o sentimento que nos liga ao outro.

Ser empático tem a ver com ser altruísta, ter amor pelo outro, ajudá-lo e esse sentimento pode mudar a nossa sociedade que está cada dia mais doente psicologicamente.

E as redes sociais são ótimos meios para isso acontecer mais e mais e mais. Por exemplo, coloque como meta elogiar sempre uma pessoa diferente, isto irá melhorar o dia dela. Que tal botar o papo em dia com um velho amigo que você não vê há anos pelo Skype, FaceTime ou vídeo chamada do WhatsApp, em vez de mandar uma mensagem de Facebook? Siga páginas, perfis, sites e etc que tragam boas mensagens, como o @razoesparaacreditar, onde eles se intitulam como ”agência de conteúdo humanizado e transformador”. Dá para perder hoooras vendo os posts E comentários (tem bastante história legal ali também), além é claro, de chorar litros e limpar a alma e o coração.empatia nas redes sociais

Mas se você se deparar com alguma injustiça, documente-a e compartilhe. Faça jus ao poder da internet – principalmente das redes sociais – e aumente a consciência de questões de justiça social tanto a nível local quanto globalmente. Mas atenção, escolha com cuidado as palavras. Lembre-se: empatia! É difícil, mas não é impossível.

No geral, publique coisas legais, saudáveis e que tragam um certo conforto para quem está do outro lado da tela. Não interessa como, a internet continuamente oferece cada dia mais formas de nos conectarmos. Vamos aproveitar isso sempre!